Novas instalações

terça-feira, 20 de julho de 2010

PASSATEMPO.....RECORDANDO!

1º- Quando e onde foi este almoço?
2º-que fado estava o Alfredo a cantar?
3º-quem colaborava com o Alfredo? O Tó Ferrão, a Daisy ou o JÓJÓ?
enviado por José Leitão

11 comentários:

  1. Será na sacristia da Igreja do Calhabé?
    Estará o Alfredo a ensaiar para a homilia do Padre Pacheco?
    É uma hipótese possivel.
    Contudo, a presença do Tó Ferrão descarta-a.
    A menos que seja a preparação para mais uma peregrinação a Fátima em que o Tó Ferrão é especialista.
    Mas onde é isto? Onde?

    ResponderExcluir
  2. Foi no Nacional Bilharista; creio até que, neste momento se entoavam cânticos religiosos...

    ResponderExcluir
  3. É numa sacristia mas naquela que o
    Rui Pato diz...
    Não é Natal,não é Natal...será a cantiga???

    ResponderExcluir
  4. Não digo porque estava lá, mas lembro-me que a Olinda fez um strip quase integral que eu até fiquei com os olhos em bico!...

    ResponderExcluir
  5. Os olhos já voltaram ao sítio,Alfredo?
    Espero pois a beldade não exigia tanto!!!...

    ResponderExcluir
  6. O Rui Pato já acertou, e eu quase que jurava que era aquela canção que o Alfredo canta e a Daisy diz um refrão, sempre igual, muito compenetrada! Dada a hora a que escrevo, não vou dizer.....mas pela cara dela, é isso quase de certeza. QUE DIZEM VOCÊS??????
    Olga

    ResponderExcluir
  7. Só falta aqui o meu amigo Carlos car(v)alho para decifrer o refrão!
    Será a "Gávea" usada nas antigas caravelas no cimo de um mastro, para onde eram enviados de castigo os marinheiros qu se portavam mal?
    Naquele tempo a fidalguia,.... lá para os lados do Paço Real.....
    Não digo mais ,pois ainda me mandam para a "Gávea"!

    ResponderExcluir
  8. "assunto sério", como diria o Tonito.
    Só a Zeca sorri,deve ser algum cântico...carregado de intenções!

    ResponderExcluir
  9. Eu sei lá onde foi isto. "Elas" são tantas...

    Só não percebo o que é que está ali a fazer a inocente da Daisy no meio daqueles quatro malcriados.
    E o marido, impávido e sereno, fecha os olhos deleitado e conivente.
    A moral já não é o que era. O pobre do padre Aníbal bem pregou mas...

    Carlos Viana.

    ResponderExcluir